Remédios para diabetes: saiba mais sobre a condição e seu tratamento

remedios diabetes

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

No mês de novembro, acontece o Dia Mundial do Diabetes (14/11), com diversas campanhas ocorrendo ao redor do mundo para conscientizar a população sobre a importância dessa doença e seu diagnóstico precoce, dada a sua alta prevalência.  

Dados revelam que cerca de 425 milhões de pessoas têm diabetes, sendo que o Brasil ocupa o 5º lugar no mundo, acometendo crianças, adultos e idosos. Além disso, muitos são os pacientes que não são diagnosticados precocemente e são tratados de forma inadequada, o que contribui para o desenvolvimento de complicações e o aumento no número de hospitalizações e óbitos.  

A seguir, entenda mais sobre a condição e seu tratamento, incluindo os principais remédios para diabetes! 

Diabetes mellitus: tipos e sintomas 

O diabetes mellitus (DM) é uma síndrome metabólica, caracterizada por uma deficiência na produção e/ou liberação de insulina pelo pâncreas. Esse quadro, por sua vez,  leva à hiperglicemia, ou seja, ao aumento dos níveis de açúcar no sangue. 

Afinal, o que causa diabetes? 

Na prática, as causas da enfermidade estão relacionadas aos seus tipos ou classificações, o que traz à tona a diferença entre diabetes tipo 1 e 2, entre outros possíveis quadros. 

Acompanhe: 

  • DM Tipo 1: tem origem autoimune, na qual não há a produção de insulina pelo sangue. 
  • DM Tipo 2: é desenvolvido pela presença de fatores de risco como obesidade, sedentarismo, má alimentação, histórico familiar e comorbidades. Nesse caso, o organismo passa a não absorver a insulina da forma adequada. 

Vale destacar, ainda, que existem a diabetes mellitus gestacional e outros tipos de DM, que ocorrem de forma menos frequente. Essas últimas situações são derivadas de fatores como infecções, medicamentos hiperglicemiantes e síndromes genéticas.

Quais são os sintomas de diabetes? 

O indivíduo pode apresentar sintomas como perda de peso, aumento de sede, fome e aumento da frequência urinária.

Além disso, há alteração dos exames laboratoriais como glicemia de jejum (GJ) e hemoglobina glicada (HbA1c), sendo que este último é o “saldo” de 3-4 meses atrás da glicose sanguínea. 

Para confirmação do DM, por exemplo, a GJ deve ser ≥ 126 mg/dl e a HbA1c deve ser ≥ 6,5%. Além disso, metas terapêuticas são estabelecidas ao longo do tratamento, visando alcançar um melhor controle glicêmico.

Tratamento: o papel dos remédios para diabetes  

Para que a glicemia “em excesso” seja reduzida, são utilizados medicamentos orais e injetáveis capazes de controlar a doença e prevenir complicações

Por esse motivo,  é essencial que o controle glicêmico esteja adequado para  retardar ou evitar o aparecimento de doenças cardiovasculares (a exemplo de infarto e acidente vascular encefálico), doença renal, neuropatias (condição que afeta o funcionamento dos nervos periféricos causando dor e fraqueza), retinopatia (uma forma de lesão na retina) e complicações nos pés.

Nessa perspectiva, os medicamentos utilizados no tratamento do DM podem agir por diversos mecanismos. Há os que agem aumentando a sensibilidade da insulina nos tecidos, outros que aumentam a secreção de insulina pelo pâncreas e aqueles que agem ocasionando um aumento de glicose na urina. 

No quadro a seguir, estão listados os medicamentos disponíveis no Brasil e seus possíveis efeitos colaterais: 

Tratamento medicamentoso: os remédios para diabetes

Classe terapêutica (via) Nome (marca) Efeitos colaterais 
Biguanidas  (oral) – Metformina (Glifage®, Glifage XR®, Glucoformin®) – Sintomas gastrointestinais (diarreia, náusea, anorexia, gosto metálico) → menos frequentes na apresentação XR – Deficiência de vitamina B12 – Acidose lática (rara) 
Sulfonilureias  (oral) – Glimepirida (Amaryl®, Betes®) – Glicazida MR (Diamicron MR®) – Glibenclamida (Daonil®) – Hipoglicemia – Ganho de peso 
Inibidores do SGLT2  (oral) – Empaglifozina (Jardiance®) – Canaglifozina (Invokana®) – Dapaglifozina (Forxiga®) – Propensão à infecção do trato geniturinário – Risco baixo de cetoacidose diabética 
Agonistas do receptor GLP-1  (subcutânea) – Liraglutida (Victoza®, Saxenda®) – Dulaglutida (Trulicity®)  – Semaglutida (Ozempic®) – Náusea, vômitos e diarreia – Hipoglicemia (raro) – Aumento discreto da frequência cardíaca – Possibilidade de pancreatite aguda 
Inibidores da DPP-4  (oral) – Sitagliptina (Januvia®)  – Vildagliptina (Galvus®)  -Linagliptina (Trayenta®)  – Alogliptina (Nesina®) – Saxagliptina (Onglyza®) – Angioedema e urticária – Probabilidade de pancreatite aguda – Aumento das internações por insuficiência cardíaca (saxa e alogliptina?) 
Glitazonas   (oral) – Pioglitazona (Gliozac®,Piotaz®, Pioglit®, Actos®, Stanglit®) – Ganho de peso – Retenção hídrica – Maior risco de insuficiência cardíaca em pacientes propensos – Maior risco de fraturas em idosos 
Inibidores da α-glicosidase  (oral) – Acarbose (Aglucose®, Glucobay®) – Flatulência – Meteorismo (distensão abdominal) – Diarreia 
Glinidas  (oral) – Repaglinida (Prandin®, Prosprand®)  – Nateglinida (Starlix®) – Hipoglicemia – Ganho de peso 

É importante ressaltar que, além desses medicamentos, os pacientes também podem fazer uso de insulina, hormônio injetável que “imita” a liberação de insulina pelo pâncreas de um indivíduo que não possui a doença

No diabetes tipo 1, ela é 100% necessária, já que os indivíduos não produzem insulina. No diabetes tipo 2, ela pode ou não ser necessária, a depender da reserva do hormônio no indivíduo.

Seu principal efeito colateral é a hipoglicemia, definida por glicemias menores do que 70 mg/dL. Nesse caso, é possível apresentar sintomas de fome, tremor, sudorese, tonturas, palpitações, formigamento nos dedos e lábios, dor de cabeça, confusão mental e visão embaçada. 

Por isso, sempre que você apresentar algum desses sintomas e suspeitar do quadro, é importante realizar a glicemia capilar para confirmar o diagnóstico, procedendo com o tratamento adequado!

No quadro a seguir, estão descritas as insulinas disponíveis no Brasil e seus perfis de ação: 

Ação ultralonga Início: 6 h Duração: 36 h 
ou
Início: até 4 h Duração: 42 h 
Glargina U300 (Toujeo®) 
 
Degludeca (Tresiba®) 
Ação longa Início: 2- 4 h Duração: 20- 24 h Glargina (Basaglar®, Lantus®) 
Ação intermediária Início: 1- 3 h Duração: 18-22 h 
ou
Início: 2- 4 h Duração: 10- 18 h 
Detemir (Levemir®)  

NPH (Humulin N®/Novolin N®) 
Ação rápida Início: 30 – 60 min Duração: 5- 8 h Regular (Humulin R®/Novolin R®) 
Ação ultrarrápida Início: 5- 15 min Duração: 3- 5 h Asparte (Novorapid®)  Lispro (Humalog®)  Glulisina (Apidra®) 
Ação ultra + rápida Início: 2,5 min Duração: 5 h Fast Asparte (Fiasp®) 
Ação ultra + rápida inalada Início: Imediato Duração: 1- 2h Insulina Humana (Afrezza®) 

E então, gostou do conteúdo? Esperamos que tenha esclarecido suas dúvidas sobre a doença e os remédios para diabetes que podem ser indicados para tratamento! Acompanhe os próximos conteúdos para ficar por dentro de outros temas sobre o universo farmacêutico, saúde e bem-estar. Até a próxima! 

Referências:

  • ADA. AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standards of Medical Care in Diabetes – 2021. Diabetes Care, v. 43, supl. 1, 2021.
  • SBD. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2019 –2020). São Paulo: A.C. Farmacêutica, 2019.
  • SBD. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Posicionamento Oficial SBD nº 02/2020. Tratamento da hiperglicemia no diabetes tipo 2. São Paulo, 2020. Acesso em: nov 2021.

Gostou desse artigo?
Assine nossa newsletter!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Continue lendo

Gostou desse artigo?

Assine nossa newsletter para receber mais conteúdos

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email